Nossa Senhora Auxiliadora

                                                                                           - Ir para os Títulos de Nossa Senhora

Comem.  litúrgica - 24 de maio Também nesta data:  Santos Rogaciano, Domiciano e Davi I da Escócia.   

            

                                

                                 A festa de Nossa Senhora Auxiliadora foi instituída pelo Papa Pio VII, pelo decreto de 16 de setembro de 1816, sendo mais  uma confirmação brilhante da memorável profecia da Mãe de Jesus: “Eis que me chamarão bem-aventurada todas as gerações” (Lc. 1). Instituindo esta festa, a Igreja com isto tencionou: 1º.) comemorar um dos acontecimentos mais notáveis da história do cristianismo, em que Maria de um modo tão patente,  mostrou o seu poder  e 2º.)  animar os fiéis à confiança na intercessão de Maria Santíssima.

                                O acontecimento foi o seguinte:  O imperador Napoleão primeiro, cuja ambição não respeitava lei nem tradição, dedicava ódio ao Papa Pio VII, por ter-se negado a declarar inválido o matrimônio de Jerônimo, irmão de Napoleão, que mui legalmente tinha contraído com uma senhora protestante, filha de um negociante da América do Norte. Sob um pretexto mentiroso, mandou que o general Miollis, em 1809, ocupasse Roma e em nome do Imperador declarasse: “Sendo eu imperador de Roma, exijo a restituição dos Estados Eclesiásticos, doação de Carlos Magno;  declaro findo o Império do Papa”.  Pio VII protestou contra esta arbitrariedade injustíssima e lançou a  excomunhão de Napoleão. A bula da excomunhão foi por ordem do Papa afixada na porta da catedral de São Pedro, na noite de 10 para 11 de junho de 1809.

                                  Às 02:00 horas da madrugada, o general Radet penetrou no palácio do Quirinal, onde encontrou o Sumo Pontífice revestido das insígnias papais. Dirigindo-se a Pio VII, com voz trêmula, disse: “Cabe-me uma ordem desagradabilíssima;  tendo, porém, prestado juramento de  fidelidade e de obediência  ao meu imperador, devo cumpri-la: Em nome do imperador declaro-vos,  que deveis renunciar ao governo civil sobre Roma e os Estados Eclesiásticos e, caso a isso vos negardes, vos levarei ao general Miollis”.   Pio VII, com voz firme e dignidade, respondeu:  “ Julgais ser vosso dever executar as ordens do Imperador, a quem juraste fidelidade e obediência;  deveis compreender de que  maneira somos obrigados a  respeitar o direito da Santa Sé, nós que estamos ligados com tantos juramentos! Não podemos renunciar ao que não nos pertence; o poder temporal pertence à Igreja Católica, de que somos apenas administradores. O imperador pode mandar fazer-nos em pedaços, mas o que de nós exige, não lho daremos”.  Radet conduziu então o Santo Padre, com o Cardeal Pacca, a uma carruagem que já se achava de prontidão, fê-los tomar lugar, fechou a portinhola e levou-os, não ao general Miollis, mas até às fronteiras da França e de lá à prisão em Savona. O Cardeal Pacca ficou, como prisioneiro, em Fenestrella.

                                 Napoleão tinha dado ordem que fossem retiradas da companhia do Papa todas as pessoas de  confiança dele, até o confessor; foi-lhe impossibilitado o uso do Breviário e a  mesa era-lhe a  mais frugal possível. Em tudo isto se tinha pensado, para intimidar o espírito do Papa e quebrar-lhe a resistência. Os maçons e inimigos da Igreja rejubilaram com a vitória sobre o Papado, e seus órgãos já falavam do último Pio. Pio VII, porém, cheio de confiança, entregou a causa à Providência Divina e a Maria Santíssima, Mãe de Misericórdia, e fez o voto de fazer uma solene coroação  da imagem de Nossa Senhora de Savona. O que muito contribuiu para aumentar os sofrimentos morais do Sumo Pontífice, foi a atitude duvidosa de cardeais italianos e franceses, que mostravam mais empenho em não cair no desagrado de Napoleão, do que em defender os interesses da Santa Igreja.

                                  Em 1812 Pio VII foi levado a Paris. Embora muito doente, teve de seguir viagem, já de si penosíssima, transformada em verdadeiro martírio, pelas circunstâncias em que foi feita. Sem a menor comodidade, foi o representante de Cristo tratado como um criminoso perigosíssimo. Seu estado de saúde piorou de tal maneira, que lhe foram ministrados  os últimos sacramentos. Ainda assim os algozes não tiveram compaixão do venerando ancião, que só chegou vivo a Fontainebleau, em Paris, por uma proteção especial do céu.

                                 Repugna descrever as  indignidades e injúrias, de que foi vítima o Vigário de Cristo. Entretanto, sem que ninguém o pudesse prever, as coisas mudaram, e bem depressa. Napoleão perdeu a batalha de Leipzig e, cedendo à pressão formidável de opinião pública, deu liberdade ao Papa e no mesmo palácio, onde o tinha mantido preso, se viu obrigado a assinar a  abdicação.

                                 Pio VII voltou para Savona, onde cumpriu o voto. Em presença de muitos  Cardeais e Prelados, do rei Vitor de Sardenha, da rainha Maria Luiza de Etruria,  fez a coroação da imagem da Mãe de Misericórdia, e no dia 24 de maio de 1814, fez a solene  entrada em Roma, debaixo de jubilosas aclamações.

                                 O Papa entrou outra vez no livre exercício do seu governo;  foram restituídos os objetos de arte, que os generais franceses tinham levado para a França, e Napoleão, o grande conquistador, esperou, como prisioneiro, na ilha de Santa Helena, pela hora da liberdade. Esta lhe soou seis anos depois, quando Deus o chamou para prestar contas ao eterno Juiz.

                                 Pio VII atribuiu a vitória da Igreja sobre a revolução, sua libertação das mãos dos inimigos, à intercessão poderosíssima de Maria Santíssima, e para testemunhar  e imortalizar sua gratidão, instituiu a festa de Nossa Senhora Auxiliadora.

                                Se a devoção de Nossa Senhora Auxiliadora tomou novo incremento na igreja Católica, é também devido ao grande Santo dos nossos dias,  São João Bosco, que deu a Deus e a Igreja duas congregações:  A Pia Sociedade de  São Francisco de Sales (Salesianos) e a das Filhas de Maria Auxiliadora, ambas destinadas à educação cristã da mocidade, e pregação do Reino de Deus entre os pagãos, à caridade de Cristo em suas  diversas modalidades. Ambas trabalham e  se santificam sob a égide de Maria Auxiliadora, a  cuja  intercessão São João Bosco atribuiu sua vocação sacerdotal e missionária, e cuja devoção legou às suas instituições como um penhor preciosíssimo e providencial de  santificação e proteção divina. 

ORAÇÃO À NOSSA SENHORA AUXILIADORA 

(Composta por São João Bosco) 


Ó Maria, Virgem poderosa,

Tu, grande e ilustre defensora da Igreja;

Tu, auxílio maravilhoso dos cristãos;

Tu, terrível como exército ordenado em ordem de batalha

Tu, que só, destruíste toda heresia em todo o mundo:

Ah! Nas nossas angústias, nas nossas lutas, nas nossas aflições, defende-nos do inimigo;

e, na hora da morte, acolhe a nossa alma no Paraíso.

Amém.

 REFLEXÕES

Por que motivo é que a Igreja, a esposa de Jesus Cristo, deve passar por tantas tribulações e perseguições?  Por que é que seu Chefe visível, o Papa, é tantas vezes alvo dos mais rudes ataques?   Humilhação maior não podia haver para a Igreja e seu chefe, que a que Napoleão causou. Porque tudo isto?

São altos desígnios de  Deus, que não nos compete indagar e citar perante o tribunal da nossa inteligência.

Deus mesmo no-lo diz, pela boca do salmista: “O Senhor dissipou os projetos das nações e reprova os intentos dos povos e arruína os conselhos dos príncipes;  mas  os conselhos do Senhor permanecem eternamente;  os pensamentos do seu coração passam de geração em geração. (Sal 32, 10, 11)

 Deus permitiu aquela grande provação, de que a Igreja saiu rejuvenecida e confortada. Que nome é hoje mais abençoado, o de Pio VII, do mártir da liberdade da Igreja ou o de Napoleão I? Quem é  mais  digno de admiração, quem exerce  maior influência sobre os espíritos, o ancião de batina branca ou o imperador vestido de púrpura, empunhando cetro do poder mundial?  Este foi o flagelo de Deus. Finda a missão, Deus o abandonou. No Papa, porém, se verificou o que Cristo disse a Pedro:  “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei minha Igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mt. 16, 18).,

Deus é fiel e imutável nas suas promessas e  ameaças. Se às vezes nos quer parecer que os inimigos prevalecem contra a Igreja, lembremo-nos da palavra do divino Mestre: “Estarei convosco até o fim dos séculos” .

“Não há nada neste mundo, que Deus ame tanto, como a liberdade de sua Igreja”. (Santo Anselmo de Canterbury).

Sejamos sempre bons e dedicados filhos da nossa Igreja! Amemo-la, defendemo-la e sejamos obedientes aos seus preceitos. Imitemos o exemplo dos fiéis do tempo dos Apóstolos, dirigindo preces ardentes a Deus pela prosperidade da Igreja e do Sumo Pontífice. 

Nossa Senhora Auxiliadora - Rogai por nós!

                                                                     *  *  *  *  *  *  *  *  *

Ir para a Página Oriente

Títulos de Nossa Senhora

* Referências bibliográficas:

- Na luz Perpétua,  5ª.  ed., Pe. João Batista Lehmann, Editora Lar Católico - Juiz de Fora - Minas  Gerais,  1959.